sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

We all are

Mar adentro

Adoro as previsões meteorológicas, são sempre tão apocalípticas.

Desta feita é fortemente recomendo o uso de sacos de areia e barcos a remos para o fim de semana.

Por via das dúvidas comecei já a construir a minha arca e a recolher todos os animais lá da rua.

Wild thing

Sei que não é nada, tens razão. Mas por vezes não consigo não deitar as unhas de fora.

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Thunder approaching

Quando se ouvem as notícias só ouvimos falar em crise, que este ano vai correr muito mal, que vão haver falências, despedimentos em massa.

É daquele tipo de coisas que se vê, encolhe os ombros e continua o que se estava a fazer.

Só nos inteiramos quando a situação se torna pessoal.

Acabei de saber que a nossa empresa parceira vai despedir quase a totalidade dos funcionários, entre eles grandes profissionais e amigos.

O meu pensamento está com eles mas aperta-se-me o coração por pensar o que por aí ainda virá.

Just feel like...

Reveste-me de carinhos tresloucados,
mesmo que por instantes alucinados
que se percam no decorrer das horas...
Ama-me mais que nunca, agora!

Abraça-me com a ternura de sempre,
anseio o frêmito que meu ventre sente
ao suave toque de tua pele,
à química que nos impele...

Beija-me com teu beijo apaixonado...
Esquece o tempo, perde a hora,
entrega-te a momentos extasiados,
deixa a vida decorrer lá fora...

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Entregar-me à inércia

Há dias assim.



Ma chambre a la forme d'une cage
Le soleil passe son bras par la fenêtre
Les chasseurs à ma porte
Comme des petits soldats
Qui veulent me prendre

{Refrain:}
Je ne veux pas travailler
Je ne veux pas déjeuner
Je veux seulement oublier
Et puis je fume

Déjà j'ai connu le parfum de l'amour
Un millions de roses
N'embaumeraient pas autant
Maintenant une seule fleur
Dans mes entourages
Me rend malade

{au Refrain}

Je ne suis pas fière de ça
Vie qui veut me tuer
C'est magnifique
Etre sympathique
Mais je ne le connais jamais

{au Refrain}

Je ne suis pas fière de ça
Vie qui veut me tuer
C'est magnifique
Etre sympathique
Mais je ne le connais jamais

{au Refrain}

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Último grito em tratamento de detritos

Os aterros já eram.

Agora o que está na moda é mandar as cenas para o espaço.

Já temos lixo a mais cá em baixo. Disparate? Nã!

Estamos timidamente a começar a fazer precisamente isso.

Ainda hoje ouvi nas notícias que os restos mortais do criador da série Star Treck vão ser mandados para o espaço. Na boa!

Não sei se têm a consciência mas, coisas a orbitar no espaço poderão vir a entrar na atmosfera e tal.

É que não me agradava nada estar numa esplanada a comer umas belas gambas ao alhinho e levar com um presunto meio carbonizado em cima do prato.

Isso ainda era coisa para me deixar a roupa cheia de nódoas, e olhem que nesse tipo de nódoas nem o Blanka funciona...Depois tinha que mandar para a lavandaria e era uma chatice porque as lavandarias são como os bancos - não têm horários decentes - eventualmente ia demorar demasiado tempo a levantar a roupa e quando lá chegasse já não tinham nada que correspondesse à minha senha.

Uma canseira! Vamos evitar isto, pode ser?

I am a bird now


Com ou sem companhia, vou lá estar.

Estou um pouco confusa

Não vejo muita televisão e isso faz com que fique completamente desactualizada em relação a muitas coisas.

Em parte dou graças por isso, porque sei que existem programas deprimentes como os que são transmitidos em horário nobre por mero acaso, fazendo zapping.

É nesse tipo de programas que por vezes aparecem "celebridades" que não faço a mais pequena ideia de onde terão brotado.

98% das vezes são membros do cast dos Morangos com açúcar ou de uma fascinante novela da Sic.

Por curiosidade mórbida, quedo-me um pouco para ouvir as suas declarações e sem espanto oiço afirmações tão vazias como os seus olhares - fazem-me lembrar aquele afamado vídeo da Miss Teen USA a falar sobre os mapas e o Iraque...

Anyway, temos cada vez mais modelos/cantores/actores de consumo rápido.

Infelizmente alguns ficam por mais tempo.

Estou a falar da Floribeila. Esta criatura (não méééééravilhosa como cantava a outra), ainda saltita na televisão generalista fazendo programas para crianças.

A Ana Malhoa pelo menos seguiu a progressão normal das coisas que é: primeiro faz programas para crianças e depois transforma-se numa stripper.

No caso da pequena borboleita, o processo foi precisamente o contrário.

Quando parei neste programa pela primeira vez fiquei confusa - estava a dar um programa de strip mas o público eram crianças...

"Pelo menos está confinada aquele espaço e só traumatiza alguns putos" - pensei eu.

Mas não.

Agora vamos poder contar com sua a valorosa contribuição no festival da canção.

A música chama-se "Yes we can", talvez fique no ouvido como o slogan do Obama, talvez seja um statement dizendo que nós podemos levar um espectáculo de soft porn para a Eurovisão, talvez seja desta que conseguimos ficar no top 8.

Se calhar só mesmo assim.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Cada um tem o que merece...

...e eu aparentemente mereço sentir a "supremacia da dor".

Pois é, o meu último post falava na minha reunião da empresa.

As minhas últimas frases falam precisamente de algum incidente que me pudesse acontecer - it did!

Tudo correu lindamente no primeiro dia, o hotel tinha uma vista espectacular (embora o hotel tivesse algo de "The shining" - esperava sempre ver ao fundo do corredor as gémeas); o almoço e a janta foram muito bons; as bebidas eram boas, baratas e de borla; tomamos conta de uma disco e, apesar da música não ser nada de especial, fizemos a festa.

Estava já a dançar praí há umas duas horas, quando num show de samba, a minha perna deu um estalo esquisito.

Conclusão: contractura muscular, com direito a canadianas e uma ida de emergência a um omeopata.

Tive de vir mais cedo embora, perdi a actividade (que era um rali-paper, como o Tiago previu) e estive em repouso estes dias.

Enfim!

Como se não bastasse, um colega meu teve de trazer o meu carro para Lisboa e, wait for it...bateram-lhe na ponte.

Se alguém souber de um sítio onde possa ir descarregar o Karma, avisem...

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Vou partir naquela estrada

Pois é meus lindos, esta semana, tenho só 3 dias de trabalho.

Tudo graças à reunião anual da minha empresa.

Gosto sempre desta altura do ano, vamos para um sítio qualquer, com tudo à pala e ainda por cima vamos fazer actividades bem catitas.

Este ano não nos foi dado o mapa das festas e roo-me por saber o que será desta vez.

Mergulho? Moto de água? Kitesurf?

Estou a por estas hipóteses porque tudo o que sabemos é que vai ser em Sesimbra - logo mar.

Espero desta vez não ter nenhum percalço. Se virem nas notícias que houve um trágico acidente numa reunião de empresa, já sabem. It is i, leclerc.

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Pai nosso que estais no céu

Hoje é a tomada de posse do mui amado Obama.

O sentimento é mais ou menos generalizado quanto ao novo presidente.

Existe muita expectativa em torno das mudanças que virão, mas acima de tudo, todo mundo dá graças porque finalmente o reinado Bush teve fim.

Com o novo presidente esperam-se ideias frescas, mais diplomacia e acima de tudo uma melhoria significativa na qualidade das declarações públicas.

Temendo ser visto como um milagreiro, Obama fez declarações onde afirmava "ser apenas humano".



- Ora querem lá ver isto? Então elegemos um negro e ele nem consegue fazer milagres?!? E se pusermos uma foto dele de pernas para o ar? Talvez deixa de ser armar em esquisito e crie postos de trabalho, estabilize a bolsa e reduza o preço do petróleo.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Parece que caiu um avião lá prós States

Como não costumo ver muita televisão, normalmente vejo as notícias com algum atraso.

Não foi o caso desta vez.

Mesmo assim, achei por bem dar um tempo para a notícia respirar e também porque gosto de ser diferente.

Então não é que caiu um avião no rio?

É verdade!

E se houvesse alguém que não estivesse a par desta notícia, houve tanto alarido em volta disto que mesmo o mais desatento dos seres, ficaria a saber.

Tal foi a quantidade de vezes que vi reportagens com todos os planos possíveis e imaginários do momento da amaragem.

Só dou graças a Deus por não ter morrido ninguém nesta "brincadeira" porque se não passados anos ainda estariam a falar nisso e possivelmente no caminho teriam condenado mais um país "terrorista" ao mais completo caos.

Chiça!

Somos humanos, ou somos dançarinos?

É a pergunta que os The Killers fazem.

E eu pergunto o mesmo.

A avaliar pela quantidade de programas de dança que têm dado nos últimos tempos na televisão portuguesa, somos todos dançarinos.

Já se está a entrar na onda dos reality shows em que houve a primeira versão, depois um canal concorrente copiou a ideia e dava a emissão ao mesmo tempo que o canal plagiado.

Depois, houve mais 3 edições.

Ao fim, como o formato já estava muito visto, tiveram que inovar.

Como?

-Vamos convidar "famosos" (as aspas estão lá porque grande parte dos concorrentes me eram desconhecidos, assim sendo - não famosos).

Só faltou mesmo a versão crianças, mas ver putos a jogar playstation e a jogar à apanhada não era tão chamativo como ver pessoal ao pontapé e ao murro ou a fazer o amorrrr.

Poderá ser uma boa aposta, crianças a dançar e a cantar é o que está a dar (vejam só o sucesso que faz o Sequim de ouro todos os anos por altura do Natal...)

Sonho com o dia em que programas apresentados pela Catarina Furtado, Bárbara Guimarães e Sílvia Alberto, sejam erradicados da nossa televisão.

Será demasiado ambicioso?

Pretty woman?

Para mim o Richard Gere sempre foi um homem de meia idade.

Sempre o conheci dessa forma e assim se mantém hoje em dia.

Não vejo o tão proclamado sex apeal deste senhor.

Para mim ele não é mais que o Steven Segal das comédias românticas.

Se repararem bem, a expressão sua expressão é sempre a mesma.

Quer em filmes antigos, quer em filmes mais recentes (até no novo anúncio de um automóvel que tem passado na televisão ultimamente, onde brinca alegremente com um pequeno tibetano).

Suspeito que se tenha submetido a um qualquer processo de mumificação.

Isso explicaria a falta de expressividade e ao mesmo tempo a forma como perturbadoramente finta a passagem do tempo.

(Quase) Perfeito

Sabe bem ter-te por perto
Sabe bem tudo tão certo
Sabe bem quando te espero
Sabe bem beber quem quero

Quase que não chegava a tempo de me deliciar
Quase que não chegava a horas de te abraçar
Quase que não recebia a prenda prometida
Quase que não devia existir tal companhia

Não me lembras o céu nem nada que se pareça
Não me lembras a lua nem nada que se escureça
Se um dia me sinto nua, tomara que a terra estremeça
Que a minha boca na tua, eu confesso não sai da cabeça

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Silence

"Esteja alerta para as regras dos três

O que você dá, retornará para você

Essa lição, você tem que aprender

Você só ganha o que você merece"

Bem verdade Beth, bem verdade...

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

My moon my man

Música feliz que me ecoa na cabeça desde ontem.

Do you hate your job?

Gosto do que faço, mas às vezes há dias que não dá sequer para coçar o rabo.

Hoje foi um dia assim.

Toda a gente de quando em vez se queixa que não lhe apetece trabalhar.

Será mesmo toda a gente?

E o pessoal que trabalha na indústria porno? Será que existem manhãs em que os funcionários ligam a dizer que estão doentes só para poderem faltar ao trabalho?

Não me parece...

quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

Say my name, bitch

Porque é que a partir do momento em que se forma um casal, um dos elementos, para as outras pessoas deixa de ter nome próprio e passa a ser "o namorado de X"?

Insisto sempre em me referir às pessoas pelo nome, nem que depois me digam:

-"Que Pedro?"

E eu responda:

-"O namorado da Ana".

É diluir a identidade da pessoa na outra e acho isso mal.

A não ser que não saiba o nome, aí arranjo alcunhas.

Não existe ninguém como eu a arranjar alcunhas, porque o universo arranjou uma forma de compensar o facto de ter uma excelente memória visual e auditiva, tirando-me praticamente a capacidade de decorar nomes.

Até podem ser desagradáveis mas a unicidade está lá.

A inveja é um sentimento muito feio...

É por isso que não invejo quem tem inveja.

Há coisas que me ultrapassam

Alguém me consegue explicar o que faz com que um homem adulto tenha no telemóvel um toque do "orelhinhas"?

Para quem não sabe do que estou a falar, aqui fica uma imagem.



Se mesmo assim, não souberem do que estou a falar, vejam o vídeo



Para além de extremamente irritante (já referi o meu problema com sons repetitivos?), é incrivelmente másculo.

Isso e ver o Mamma Mia à hora do almoço.

Sempre pensei que os únicos serviços fornecidos pela jamba destinadas ao universo adulto eram aqueles que são publicitados em loop a partir da 1 da manhã: "Manda já um sms para o 4444 com a palavra BADALHOCA e recebe já uma magana escachada para fundo de ecrã".

Parece que estava errada...

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Devia trocar de carro, esses já não se usam...

Blasfémia!

Na semana passada o segurança do meu trabalho teve o desplante de me dizer isto.

Bem sei que o meu Ax ao pé dos Mercedes dos directores parece muito pobrezinho - i don't care!

É o carro que sempre tive, gosto muito dele e no dia em que der o último fôlego vou ficar muito triste.

Devo ter espumado da boca e tudo quando lhe respondi, e por momentos pareceu-me ouvir um ganir ferido.

Por que motivo vou comprar um carro novo se o meu funciona, nunca me deu problemas, gasta pouco, é pequeno, não desvaloriza mais, é tão pouco apelativo que não mo roubam (mesmo quando o deixo aberto por esquecimento) nem os car jackers querem saber dele, não tenho problemas em deixa-lo mal estacionado ou que me batam (numa semana chegou a ser duas vezes). O que é que eu quero mais?

Estive para lhe dizer que se vivesse de aparências trazia o Mercedes do pai para o trabalho.

Aí fazia vista mas gastava mais 30€ por mês em gasolina e como as calças do fato não têm algibeiras, não dava para estacionar lá - teria que perder mais 15 min de manhã a tentar arranjar sítio para parar.

Escusado será dizer que a piadola lhe saiu do couro porque para além de ter sido espancado verbalmente em frente ao colega que se mal se continha de riso, acho que ficou com medo me dirigir a palavra.

Vidas...

Simplesmente Nina

A música e voz. Os meus favoritos. Porque a beleza é subjectiva. Para mim é a mais bela de todas.

(I)lógica

Sexta, quando estava a voltar para casa ouvi no rádio a última declaração do Vaticano em relação à pílula. Foi qualquer coisa do género:

"A pílula contraceptiva é a principal causa da infertilidade masculina porque causa poluição."

A pílula causa poluição?

Nada que qualquer outro fármaco não faça, mas está-se a falar especificamente na pílula.

A poluição causa infertilidade?

Só se se tomar banho diariamente em condutas radioactivas.

Causa apenas infertilidade masculina.

O que causa infertilidade masculina são pontapés nos tomates!

Contem lá outra, até a história das bruxas era mais credível.

quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

Sabedoria popular

Já dizia a minha avó:

O que não nos mata, torna-nos mais fortes.

É o que penso quando passo por "baixos", dá-me força e tem-se revelado a mais acertada das frases.

CBlues resumida

São os nossos gostos que em grande parte definem quem somos. Se querem saber um bocadinho mais sobre alguém peçam-lhe para fazer uma lista de likes e dislikes. Cá vai uma pequena parcela da minha.

Likes

Cenouras cruas
Cheiro de gasolina, diluente, cola
Roupa preta (inclui materiais menos convencionais)
Fazer sons estranhos
Bricolage
Pintar
Motas
Sensação de enterrar os pés na areia fina da praia
Dançar e cantar no carro
Sorrisos de desconhecidos (poderão estar na sequência da anterior)
Que me mexam no cabelo e pescoço
Mojitos
Andar descalça
Cheiro de livros velhos
Cheiro de material electrónico novo (aparentemente só eu é que entendo esse conceito...)
Framboesas
Música antiga (my blues are everything)
Viajarrrr

Dislikes

Insectos
Gin
Estampados
Dourado
Amarelo
Sons repetitivos
Lida doméstica
Cheiro a alfazema
Frio (sou um animal tropical)
Pessoas demasiado sérias
Que andem atrás de mim em lojas
Cinismos, pretenciosismos e outros ismos
Sítios apertados
Alturas
Collants
Café quente (faz-me soluços)
Sítios cheios de gente
Atravessar passagens de nível
Música da "moda"


E já chega.

Komm zu mir

Antes das produções Hollywoodescas, esta menina fazia música e entrava em filmes alternativos que muito me apraziam.

terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Tralhas

Alguém me explica a utilidade disto?



Parece que é moda.

Vou andar com uma âncora de cacilheiro no pulso, só porque sim.

Infelizmente fico a conhecer estas coisas da "moda" todas pela minha mãe, porque almeja que um dia me torne uma senhora. E as senhoras usam esse tipo de coisas. As senhoras há algum tempo atrás usavam malas cavalinho, depois passaram a usar óculos de sol Roberto Cavalli e agora usam estas cenas.

Basicamente a senhora compra a pulseira nua e depois espera que as pessoas na sua vida lhes ofereçam as miniaturas de embrulhos, corações, gatos e o diabo a quatro para andarem a chocalhar com aquilo - ao estilo do senhorzinho Malta que estava certo ou errado, nunca cheguei a perceber.

Ainda por cima cada coisa daquelas é um assalto.

I will never understand...

segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

It´s not you, it's me...

Não estejas com alguém só porque gostas do teu reflexo nos seus olhos.

Mamma mia

Já repararam como nos últimos tempos há ABBA por todo o lado?

Tudo desde que aquele filme apareceu deu-se o revivalismo.

Vou ao cinema e está a tocar na casa de banho, há programas especiais no VH1, a há karaoke para a Playstation específico...what the...E ao que parece toda a gente gostou!
Gajas pelo menos.

Na passagem de ano, quando disse a um tipo que não tinha gostado, ele disse-me de forma elogiosa que era a primeira mulher que dizia que não tinha gostado! Isto vem
mais uma vez confirmar a minha parca semelhança com a forma de pensar feminina (dou graças).

Tiveram o seu tempo, na altura em que gajos usarem calças à boca de sino, saltos altos e purpurinas era socialmente aceite (resta-lhes agora o Carnaval de Torres).

Quem decidiu que estava na altura de remexer no fundo do baú,sacudir o pó e voltar a usar? Se ao menos ainda fizessem Boogie Night...Aí sim, envergaria orgulhosa uma afro e um fato macaco de vinil prateado, numa ode ao que de mais pindérico existe.

Mas é esse o objectivo, certo?

sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

Pondo a psicose à prova

Tenho problemas com sons repetitivos. Quando ouvi esta música pela primeira vez, a parte do "that boy needs therapy" passou a ser a banda sonora na minha cabeça durante aproximadamente dois dias. Logo à noite ainda vão estar a ouvir isto :D