terça-feira, 7 de abril de 2009

Girl next door

Mudei de poiso.

Troquei as tias da Lapa e vim para um sítio onde se trabalha tão próximo do cliente, que estou praticamente aninhada no sovaco do meu colega do lado - sou assim, afectiva.

Deixei de ter uma bela vista para um grande jardim para passar a ter uma pequena vista sobre o aqueduto.

Troquei o meu lugar de garagem por um competitivo lugar num parque de terra batida,
guardado acerrimamente por uma família de ucranianos com aspecto de terem viajado no tempo de meados da década de 80.

Disse adeus às instalações novinhas em folha de mármore reluzente e disse olá a instalações decrépitas e pouco ventiladas de um edifício antigo na fronteira de Campolide.

Despedi-me de dias curtos de intensa inactividade cerebral e abracei a carga de dias que se avizinham longos e difíceis.

Por outro lado, demoro 15 minutos a chegar ao trabalho em vez da habitual hora e pouco - não pode ser tudo mau...

É assim a vidinha de consultor. Quem sabe, um dia poderei estar sentada ao vosso lado...

25 comentários:

grassa disse...

Ou em cima de nós...

Anônimo disse...

Sempre quis ser consultor, para quando me perguntassem o que fazia poder dizer com ar superior "dou consultas." E depois as pessoas diziam baixinho entre elas "ah, mas que bem, aquele senhor é médico" e as senhoras bem postas na vida tentavam acasalar-me com suas jovens filhas de corpos tenros e firmes que eu depois trataria de corromper ao estilo do Divino Marquês dos Mão Morta.

Sonhos.

tiagugrilu disse...

Tu se viesses dar consultoria aqui para estes lados verias o que é trabalhar a sério.

É que às vezes há aqui pessoal a arranjar a rua e a trabalhar nas obras dos prédios da frente.

PWFH disse...

Boa sorte então! ... ex-vizinha! Pronto, fico eu com as tias da Lapa e os passeios apinhados de merda de cão só para mim!

tiagugrilu disse...

Se a sociedade fosse feita apenas de tias, a sobrevivência da espécie humana seria a equivalente ao tempo que demoraria aos cães encherem as cidades de 2 metros de cagalhões (isto em altura ou profundidade).

A não ser que algum cão pensasse "epá, isto é demais" e se pusesse a apanhar cócós dos passeios.

CBlues disse...

Estás a confundir os empregos. É no da noite que me sento em cima da cara dos clientes. Não ouves mesmo nada do que eu digo...

CBlues disse...

Tas a gozar mas as minhas vizinhas pensavam mesmo que era médica. E na altura da faculdade chegaram a perguntar aos meus pais se trabalhava à noite porque me viam chegar todos os dias às tantas da noite. Secretamente penso que julgavam tratar-se de alterne. Mas depois passaram a ver-me de fato e mudaram a teoria que animava as tardes...

CBlues disse...

Tenho rins sensíveis Tiago, nunca poderia trabalhar nas obras porque o look but crack não poderia ser envergado por mim.

CBlues disse...

PWFH, se calhar já estive mesmo sentada ao teu lado! Só agora é que dizes?Pera lá, tu não és o tipo que gaguejava quando falava comigo, pois não?

A disse...

oh, eu tenho vista para os cortinados. nunca na vida eles se abriram. e se algum dia te sentares ao meu lado, podes ter a certeza que não te deixarei abrir os cortinados. tenho dito!

grassa disse...

Cortinados como divisória só quando tinha 14 anos e fui ao hospital levar um corte na pila para que o meu prepúcio não estivesse ali a fazer de boss com as minhas erecções.

PWFH disse...

Não, eu sou aquele que aquele que almoça sempre na esplanada quer faça chuva ou sol, e que quando passavas, baixava os óculos escuros (gesto imitado pelo Horacio Caine) e pensava ... hummm bela peida!

gimbras.nofuturo.com disse...

Raios, eu também sou consultor. Credo.

tiagugrilu disse...

Serei o único não-consultor do Mundo?

PWFH disse...

Não, eu também não sou dessa raça!

A disse...

nem eu.

B disse...

nem eu.

CBlues disse...

A, não tens noção do meu poder de persuasão. Consigo fazer abrir todos os cortinados do mundo. Quando passo na minha rua todas as janelas se abrem e de dentro delas veem-se...velhotas que me chamam nomes e arremessam fruta podre - nunca percebi bem porquê!

CBlues disse...

Não consigo pensar numa razão pela qual a história de teres levado um corte na pila ser recorrente nas tuas conversas. A não ser que o pós-operatório com a shô dôna amélia (que suponho já esteja reformada para cima de 15 anos) tenha sido deveras prazeiroso. Não te critico, ela sempre me fez lembrar a minha avó...

CBlues disse...

PWFH, quero que saibas que foi em tua homenagem que colei na parede por cima da minha cama um poster A1 do Horacio Caine. E é a olhar para ele que uso o meu massajador facial.

CBlues disse...

Somos todos consultores nesta vida. Pelo menos até às 20:00, depois pego ali na Luciano Coelho, no elefante branco, que à sua maneira também é uma forma de consultoria.

A disse...

ahhhh sentada ao meu lado no elefante branco é um cenário que muito mais facilmente concebo um dia vir a acontecer.

tiagugrilu disse...

HORÁCIO QUEM?

Anônimo disse...

O Elefante Branco fica na Luciano Cordeiro. Foi o que ouvi dizer...

CBlues disse...

É pá, pois é! O Elefante Branco fica na Luciano Cordeiro. Coelhos é lá dentro. É por isso que sempre que me pedem indicações, se não se põem a pau, vai dar ao Chipre...