quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Porque há coisas demasiado preciosas para estarem no fundo de uma gaveta

Quando te imagino, linda, bela, nua, num leito
Quando me imagino, perdido, nas delícias do teu peito
Quando te toco, sinto, gemes no silêncio
Quando me beijas, insurjo-me, sou assim
Sou imenso

Quando me abraças com vontade, quando me esmagas de amor
Quando abanicas os bigodes do teu lábio superior
Quando a mim colas o nariz e me dizes que tens frio
Assim sou, assim sinto, te saboreio
Aprecio

Quando mudas a conversa para qualquer coisa disparatada
Quando roncas entre risos em estrondosa gragalhada
Quando colocas a tua boca a milímetros da minha pele
Tudo é bom, tudo é doce, tudo é fluido
Tudo é mel

Quando arreganhas os dentes e alargas as narinas
Quando afagas, quando divertes
Quando sonhas, imaginas
Quando me olhas, quando ris
Quando falas, quando sorris
Quando acordas, quando danças
Quando sentes, quando avanças
Quando estás, quando não estás
Quando respiras, quando te dás
Quando vives, quando existes, quando és...
...a minha felicidade
De lés
A lés

E deveria acabar com um registo idiota
Pois o meu lado sóbrio é tão pouco que nem se nota
Desculpa lá o tom meio sério deste neu poema escrito
Mas eu gosto-te
Mas eu adoro-te
Mas eu amo-te...
...e tenho dito

4 comentários:

grassa disse...

A pessoa que te escreveu isto deve mesmo gostar de ti...

cblues disse...

É um poeta, um romântico, my precious...E pronto, quebro aqui a onda de lamechice que tem rondado o meu blog nos últimos tempos.

gimbras.nofuturo.com disse...

Por que escreves sobre mim no feminino? loooooooooolll

cblues disse...

Se te identificas deves ser uma pessoa maravilhosa, cheio de características consideradas estranhas por muitas pessoas, precisosas por poucas- especiais. :)